Literatura de Cordel
www.projetocordel.com.br

A planta implora pela fauna e flora
Autor: Leontino Quirino da Silva
Santa Helena-PB, 1979.


As plantas verdes, viçosas
Trazem ar puro e vitaminas.
Mais tarde, flores cheirosas
Pra meninos e meninas.

Nossos pais também respiram
O ar puro das verdes plantas.
Crianças aspiram e cantam
Os perfumes com bonança.

Atenção eu peço ao povo,
Em frente da Casa Santa
Do que vai falar de novo
A pobre e humilde planta:
1

- "Ó gente querida eu peço
Que me ouça por favor,
Dou-te sombra, ar puro e flores
De vocês só quero amor.

Amor com amor se paga
Diz um dito popular.
Se árvores aqui plantarem,
O povo feliz será.

Pois trarei a passarada
Pra cantar todos os dias.
De manhã a alvorada
À noite, Ave-Marias.
2

Contemplamos Deus Divino
Que nos deu a natureza.
Uns ajudando aos outros
Em união, paz e certeza.

Nas nossas sombras garanto
Que o amor é praticado.
Com a permissão de Deus
O futuro é consagrado.

Do homem nasce o homem.
Do pardal nasce o pardal.
Nós morremos pra dar vidas
No nosso canto final.
3

Se praticar o amor,
Igualdade e esperança,
O mundo será uma flor,
Em vida, para as crianças.

Uma flor que vem girando
Para o sol pedindo a luz.
Luz que expulsa as trevas
Destes filhos de Jesus.

Civilização injusta
Não acata a natureza.
Faz o nobre ser mais rico,
Traz miséria pra pobreza.
4

Meu povo ainda é tempo
De sair da ambição.
Se persistirem assim,
Cairemos na perdição.

Peço proteção às plantas:
Capim-santo e jurema,
Às árvores das florestas
E a grande fauna pequena.

Proteja rios que são veias
D'água doce e cristalina.
Proteja peixes e os mares,
Várzeas, montanhas, colinas.
5

Proteja o povo de Deus
Porque todos são irmãos.
Vivam em paz e se respeitem
Em perfeita comunhão.

Agora vou trabalhar
Pra cumprir minha missão
Do meu pensamento façam
Uma grande reflexão".

- Assim ouvimos a planta
Com carinho e emoção
Pedindo pra preservá-la
Com grande amor e paixão.
6

Ó gente eu já reflito
E às plantas eu dou razão.
Elas são a nossa vida.
Nós seremos seus irmãos.

Vamos, povo, refletir
Como manda a consciência.
Foi para isto que Deus
Nos deu a inteligência.

Ave é pra planar no céu,
Nas copas da nossa mata;
O peixe correr nas águas
Brilhando feito uma prata.
7

Calango, lagarto e téjo
São lindas miniaturas
Dos dinossauros que foram
No tempo de amarguras.

Por baixo completam a cena
Harmonizando a paisagem
Formigas e seriemas
Numa linda interagem

Com o som da trovoada,
Dos galinhos de campina
Água, terra, fogo e ar
São o fecho de nossa rima.
8
FIM
_________________________________________
Site: www.projetocordel.com.br
E-mail: literaturadecordel@bol.com.br


Leontino Quirino da Silva
Santa Helena-PB, 1979.