Literatura de Cordel
www.projetocordel.com.br

Estilo: Embolada de uma volta.
Autor: Leontino Quirino da Silva
Santa Helena-PB, 1996


Arranquei toco,
Encoivarei, preparei terra
Fiz roça no pé da serra.
Só falta o milho plantar.

Tangi o gado.
O patrão me deu dinheiro,
Atravessei o Cajueiro
E o dinheiro eu fui gastar.

Saí de casa,
Fui descendo uma ladeira
Pra fazer a minha feira.
Veja q'eu entrei num bar.
1


Pedi uma "cana",
Confundiram com o caldo
E um tal de Clodoaldo
Já começou a gritar.

Ele gritava,
Lá no bar do seu Zé Brito:
- Tem buchada de cabrito,
Bem gostosa. Quer comprar?

E um paulista,
Perguntou: - Meu camarada,
O que que é uma buchada?
Isto presta ao paladar?
2


- Buchada é,
Uma bola com tripas dentro
Temperada com coentro.
Você pode experimentar.

É couro de bucho,
Com tripas bem picadinhas,
Costurada com uma linha.
Tem pro almoço e pro jantar.

- Sentei na mesa,
Veio um copo de cachaça.
Eu, até que achei graça
Com um fato popular.
3


É que a Ana,
Dançou a dança do "maxixe".
Depois trouxe uma boliche
Pôs no chão e foi ralar.

Tinha um homem,
Que gritava bem atrás,
De nome Damião Braz,
Gritou mesmo pra assombrar.

Falou bem alto,
E não foi um grito à toa.
Ele gritou: - "Oh! Biça boa"!
E ecoou no Ceará.
4


E vem mais copo
De cachaça para a mesa.
De ébrio virei alteza.
Também pus-me a gritar:

- Oh! Seu Zé Brito,
Toca logo na sanfona!
Venha cá, oh! Dona Ana
Que eu também quero dançar.

Tanta cachaça,
Com buchada e folia.
Vem Francisca, vem Maria.
Venham todas requebrar.
5


Dona Gracinha,
Guarde aí minha peixeira.
Vou cortar uma gafieira
Da poeira levantar.

Pule pra aqui,
Que eu também pulo pra lá.
Cachaça com coca-cola
Faz a gente arrotar.

Comi bastante,
A buchada com farinha,
Fiz farofa de galinha,
E três pratos de mungunzá.
6


Oh! Meu amigo,
Acabou-se o meu Real.
Três dias de carnaval
Foi mesmo de arrepiar.

Saí do bar,
Encontrei minha mulher,
Gritando: - Pra casa, Zé!
Agora vou me lascar.

- Cabra safado,
Os filhos passando fome
Vou arranjar outro homem
Pra botar no seu lugar.
7


Você merece,
Na cabeça ter dois galhos
É carta fora do baralho
Você pode acreditar.

Eu disse assim,
Mulher, você não xinga!
O meu corpo virou cinzas
No cacete de juá.

Ela bateu,
Ela surrou, eu desmaiei
Depois, eu me acordei
Num leito hospitalar.
FIM
8

Leontino Quirino da Silva
Santa Helena-PB, 1996.
_________________________________________
Site: www.projetocordel.com.br
E-mail: literaturadecordel@bol.com.br