Patativa do Assaré

Autor: Francisco Diniz
João Pessoa-PB, 09 de julho de 2002.
E-mail: literaturadecordel@bol.com.br
Site na internet: www.projetocordel.com.br

Patativa do Assaré
Hoje o céu está mais feliz
Por Jesus de Nazaré,
Pelo brilho das estrelas,
Pela beleza da fé
E por ter acenado da porta
Patativa do Assaré.

Ele partiu pra encantar
Todo o céu, o infinito,
A morada de Deus pai
E foi cumprir um novo rito:
Expressar sua poesia
Num lugar que é o mais bonito.

Por aqui deixa saudades
E entristece o sertão
Mas tenho certeza que ele
Cumpriu bem a sua missão
Defender todo o Nordeste
Com sua bela canção.

Ninguém jamais saberá
Falar nossa poesia
Com tanta simplicidade,
Com tamanha maestria,
Desejando ao nosso povo
O respeito e a alegria.

O seu verso de repente
É de nobre menestrel
Seja falando da dor
Ou da doçura do mel
Patativa é um grande
Dos poetas de cordel.

Foi grande no improviso
Faz parte da nossa história
Mesmo com pouca leitura
Tinha sábia oratória
E dificilmente se vê
Alguém com sua memória.

Patativa se despede
E deixa uma certeza
Que é preciso prosseguir
Amando a mãe natureza,
Não esquecer da nossa terra
E lutar contra a pobreza...

Do nosso homem da roça,
De todo o trabalhador
Que é vítima do desemprego,
Da seca, do desamor
Mas que achava nos seus versos
Consolo pra sua dor.

Patativa nos fez rir,
Refletir, emocionar.
Sua rima contundente
Era ao denunciar
O desprezo, a maldade
De quem vivia a explorar.

E a cultura popular
De luto, fica vazia,
Perde seu representante
De enorme sabedoria,
Patativa do Assaré
O mestre da poesia...


João Pessoa-PB, 09 de julho de 2002.
Francisco Diniz
E-mail: literaturadecordel@bol.com.br
Site na internet: www.projetocordel.com.br