Pensamentos em Cordel, de Francisco Diniz e alunos de Bayeux-PB.
Literatura de Cordel
www.projetocordel.com.br

Literatura de Cordel - No 56
Autoria: Francisco Diniz
& alunos das escolas municipais de Bayeux-PB
Novembro de 2006.


Licença amigo leitor
Neste cordel, hoje aqui,
Vamos expor pensamentos,
Um pouco do refletir
De aluno e professor,
Que estão sempre a propor,
O sonhar e o existir.

Que sempre em cada dia
Tenhamos um coração,
A mente, o corpo inteiro
Gerenciando a razão,
Pondo em prática um agir
Que ajude a construir
Uma melhor educação,

Onde se fale de amor,
De emoção, de prazer,
Onde haja compromisso
Em todo o nosso fazer
E que toda a nossa luta
Pregue a paz, boa conduta
Para um melhor viver...
-1-

Priorizando valores:
Ética e fraternidade;
Dia-a-dia praticando
E exigindo honestidade,
Buscando o conhecimento
Amplo, e em todo o momento
Dando exemplo de bondade.

Na escola, rua, família
Nós podemos debater
Violência, corrupção,
As regras do bom viver,
Sobre drogas, liberdade,
Sobre paz, sobre maldade
E como nos defender.

Nunca é tarde pra estudar,
Nunca é tarde pra viver,
Trabalhar, cuidar do corpo,
Voltar à escola pra aprender,
Se a gente se dedicar,
Todo dia semear
Consegue ler e escrever.
-2-

Povo simples do Brasil
Tem problemas com a fome,
Mas batalha todo o dia
E a crise nunca some,
Pra mudar tal situação
Fuja da corrupção,
Não vote em quem nos consome!

Em cordel falo de amor,
Violência, educação,
Paz, saúde, natureza,
Felicidade, canção,
Desmatamento, carinho
Sobre flor, sobre espinho
E a luta do cidadão.

Quem ama nunca desiste,
Suporta tudo com fé,
Esperança, paciência
E chega aonde quer,
Pode até mudar o mundo
Sair do sono profundo,
Construir o que quiser.
-3-

Na aula de Português
Nós podemos aprender
Como produzir um texto,
Como melhor escrever
Com arte, com emoção,
A fazer interpretação,
E mudar nosso viver.

O menino brincalhão
Poderá ser educado,
Pontual, ter atenção,
Ser genial, arrumado,
Reflexivo, atuante,
Agora o mais importante
É que ele seja amado.

No inverno chove demais,
Neblina e faz muito frio,
A gente usa casaco
Ou toma banho de rio,
O guarda-chuva protege,
Mas é Deus que sempre rege:
Mãe, crianças, avós, tio...
-4-

Sua beleza é como a linha
Que é solta do carretel
Conduzindo a minha pipa
Lá para o alto do céu,
Dá a minha vida, razão,
Alegra o meu coração
E enfeita o meu cordel.

Para mim tu és a flor
No corpo de uma mulher;
A beleza que encontramos
Numa pessoa de fé;
A essência, a razão,
A pureza e emoção
Qual sol, mar, lua e maré...

Que produz o alimento,
Que estimula a poesia,
É um convite ao prazer
E também à harmonia;
Traz a paz a minha vida,
Tu és pessoa querida,
O bem do meu dia-a-dia.
-5-

Nós somos o que comemos,
O que temos, como agimos,
Nós somos o que sabemos
E também o que sentimos,
Nós somos o que mostramos,
Escondemos ou pensamos,
O que vemos e ouvimos.

O cordel não é repente,
Mas tem sua maestria,
É escrito lentamente,
É do povo, é poesia,
Fala de tudo um pouco,
Expõe o sábio, o louco,
O que há ou o que havia.

É escrito em bancada,
Vendido no meio da feira,
Porém hoje essa expressão
É didática de primeira
Pra ajudar na educação
De toda nossa nação
E de qualquer estrangeira.
-6-

O seu custo é pequeno,
Quase insignificante,
Contudo sua mensagem
É por demais importante,
Quando a escola o descobrir
Todos vão ver e ouvir
Um saber apaixonante...

Ao tratar sobre a ciência,
As línguas, a informática,
As artes, geografia,
História ou matemática,
Química, física, biologia,
Do corpo e da poesia
De Deus, diabo e gramática...

Das faces do ser humano,
Seu agir e seu pensar
O cordel é sempre escrito
De forma peculiar
Com rima, métrica, oração,
Com canto ou declamação
Que faz rir ou emocionar.
-7-

Lá na travessa Baralho
Tem mosquito pra danar,
Todo mundo é picado
Ninguém pode acabar
A não ser que alguém se zangue
E mande limpar o mangue
Para o bairro melhorar.

Agora o nosso bairro,
Bem como todo o país,
Irá ter uma mudança
Da ponta até a raiz
Quando a comunidade
Exigir a igualdade
E lutar pra ser feliz.

Pra isso é importante
O papel do professor
Numa escola eficiente
Que divulgue o amor,
Mas também uma ação
Tal como revolução
Que aqui inda não chegou.
-8-
FIM

Cordelista Francisco Diniz
& alunos das escolas municipais de Bayeux-PB
Novembro de 2006.

Alunos e professores que ajudaram na elaboração deste folheto de cordel:

Escola Airton Ciraulo.
Turma: EJA noite.
Alunos: Luciano Nascimento, Adriano,
Rodrigo, Graça, Jeane, Luciano Gomes.
Professoras: ROSIMARY, AUXILIADORA.

Escola Airton Ciraulo.
Turma: manhã.
Alunos: André, Rômulo, Daniel Costa,
Thiago, Anderson, Edvando, Luciano,
Jealisson, Eduarda, Givanildo, Erick.

Escola Edgard Seager.
Turma: noite.
Alunos: André, Eliane, Inês, Elizete,
Maria Tereza.
Professora: MARIA JOSÉ.

Escola Edgard Seager.
Turma: 4a. tarde.
Alunos: Shênia, Jéssica, Lucas, Raísse,
Aline, Bruno.


Escola Tancredo Neves.
Turma: tarde.
Alunos: Adriele, Rafaele, Vanessa, Beatriz,
Hidelfonso, Danielly, Luzia, Tereza, Tamires,
Julienderson, Lindoberg.
Orientadora: Tereza.

Escola Tancredo Neves.
Turma: 8a. D - noite.
Alunos: Éverson, Wagner, Rafael,
Cláudia, Rosinaldo.

Escola Assis Chateaubriand.
Turma: tarde.
Alunos: Dayane, Luana, Natália, Joyce,
Nivaldo, Paulo, Eliana, Pedro, Gisdênia.

Escola Dom Hélder.
Turma: 5a. B - tarde.
Alunos: Henrique, Lourdinha, Rony,
Danielly, Fátima.
Professora: LUCILENE.

Escola Dom Hélder.
Turma: manhã.
Alunos: Adriano, Arionaldo, Jéssica,
José Filho, Ivaneide, José Júnior, Camila.

_________________________________________
Site: www.projetocordel.com.br
E-mail: literaturadecordel@bol.com.br