RESISTÊNCIA  HERÓICA DE

                                                MOSSORÓ  A  LAMPIÃO

                                                    Um  cordel  de  Jacinto Moreno

                                                                             Jack  Monero

                                                                             Vicente Netto

 

 

 

 

 

1927\1982 – 55 anos da entrada de

Lampião em Mossoró.

 

Jacinto Moreno faz convite

E Vicente Netto aceita.

 

E aí surge o Cordel.

Ano:  1982.

 

 

                I                                                                                                              II

Caros amigos leitores,                                                    É a história de um Menino

Aqui vai a narração                                                        Que já entrou sem fracasso,

Da vida, amor e rancores                                                Seu nome era Virgulino,

Do tão feroz Lampião,                                                    Chegou a Rei do cangaço,

Que  há muito tempo atacou                                           A polícia alagoana

E naquele tempo, matou                                                  E toda zona serrana

Muita gente no Sertão                                                      Andaram no seu encalço.

 

 

 

             III                                                                                         IV

Virgulino era seu nome,                                                     Ainda menor de idade

Lampião por apelido,                                                          Tornou-se um grande tropeiro,

Um homem religioso                                                          Nunca teve piedade,

Que nunca fora  vencido,                                                    Foi  até um cangaceiro,

Possuía muita fama,                                                            Andou em densas paragens

Vivia de truques e tramas                                                    Por suas muitas viagens

Sendo muito conhecido.                                                       Foi também arruaceiro.

 

 

 

               V                                                                                           VI

Grande mestre do cangaço                                                   Lampião foi sempre forte

Virgulino, o Capitão,                                                            Sem ter medo da polícia,

Sempre feroz, sem cansaço                                                  Um forte, cabra do Norte

Desbravador do Sertão                                                         Sem temor, mas com malícia,

Roubando, muitos matou                                                      Olhar o sangue correr

E até já obrigou                                                                     De quem estava a morrer

Dançarem nu, num São João.                                                Pra ele, era uma delícia.

 

 

 

                VII                                                                                           VIII

Lampião venceu o norte                                                        Lampião foi traiçoeiro,

E nordeste do sertão                                                              Junto com todo seu bando,

Gostava muito de missa                                                         Pra todos seus cangaceiros

E muito mais de sermão,                                                        Ele ordenava o comando,

Agora vou lhe dizer                                                               Vinha atacar Mossoró,

E digo até com prazer                                                            Mas mal sabia do nó

Onde perdeu Lampião.                                                           Que estavam lhe tramando.

 

 

 

                            IV                                                                           X

Mossoró tinha um prefeito,                                              A cidade era pequena,

Homem de capacidade,                                                    Porém hoje ela aumentou,

Um senhor muito direito,                                                 Tinha um  prefeito de cena

À altura da cidade,                                                           Que foi nosso protetor

Dos cabras que nunca mente                                            Era Rodolpho Fernandes

E hoje, o povo inda sente                                                 Do tipo dos homens grandes

Por ele, muita saudade.                                                    Que trabalham com amor.

 

 

 

             XI                                                                                              XII

Ao largo de Mossoró                                                         Mandou a carta ao prefeito,

Pediu resgate ou entrava                                                    Disse e bateu no peito:

A carta chega ao prefeito                                                  - Se não mandar o dinheiro

Que há muito a esperava,                                                   Eu entro de qualquer jeito.

Foi formiga o cangaceiro                                                   Não tínhamos a importância,

Que veio ver o dinheiro                                                      Mas fizemos concordância,

Que Lampião desejava.                                                      Pode entrar, disse o prefeito.

 

 

 

            XIII                                                                                             XIV

Ao ver a carta tramada,                                                      Vinham notícias gerais

O dinheiro não foi mando,                                                  De quase todo sertão

Mossoró foi atacada,                                                           As notícias eram tais

Com Lampião no comando,                                                De abalar o coração,

Meu pai lembra-se do dia,                                                   Vou te dizer meu amigo,

Pois foi de grande agonia                                                     Não tínhamos nem inimigo,

A ousadia do  bando.                                                            Apareceu Lampião.

 

 

 

             XV                                                                                             XVI

Lampião sem pena ou dó                                                     Junto com o capitão

Atacava o povo em massa                                                    Veio o cabra Jararaca,

Sem saber que em Mossoró                                                  Que sempre andou no sertão

Morava um povo de raça,                                                      Sem cair em arataca,

Assim mesmo  não ligou                                                       E eu digo que no universo

E em Mossoró entrou,                                                           Um cabra assim tão perverso

Mas acabou na desgraça.                                                        Ninguém enfrenta sem faca.

 

 

 

                XVII                                                                                            XVIII

Sempre jogava crianças                                                       O chefe do bando era

E aparava num punhal,                                                        O cretino Lampião,

Ele tambem fez correr                                                          Mas com ele aqui chegaram

O mais valente animal,                                                         Colchête, Quindu e Trovão,

Confessou sem esperança,                                                    E Oliveira, o menino

E hoje ainda descansa,                                                          Mais o Tenente Sabino,

Pois isso lhe foi fatal.                                                            Lua Branca e Mergulhão.

 

 

 

               XIX                                                                                            XX

Barra Nove e Candieiro,                                                           Vareda e Manoel Antônio,

Pinga Fogo e Quixadá,                                                              Moreno e também Tenente,

Luiz Pedro e Massilon,                                                             Ás de Ouro e Rio Preto,

Como  tambem Sabiá,                                                               E Virgínio, outro  valente,

Camilo e também Chumbinho,                                                 Mais Ezequiel Sabino,

Vinte e Dois e Zé Pretinho,                                                       Pai Velho e José Delfino

Chá Preto e Serra do Mar.                                                        Mataram muito inocente.

 

 

 

              XXI                                                                                                 XXII

Coxeado e Beija-flor,                                                               Quem guiava o automóvel

Fortaleza e Bem-te-vi,                                                               Era Francisco Agripino,

Marreca e José Relâmpago,                                                       O conhecido Gatinho,

Natural de Cariri                                                                         Indo no mesmo destino,

E Coqueiro que atacou                                                               Falou-me que viu Zé Coco

Antônio Gurgel que passou                                                        E Zé Roque, que era um louco,

Pro Brejo do Apodí.                                                                    Lutando com desatino.

 

 

 

                 XXIII                                                                                           XXIV

Alagoano e Muído,                                                                   Padre Cícero Romão,

Benedito e Navieiro,                                                                 Que morava em Juazeiro,

Jatobá e Valatão,                                                                       Sempre ajudou Lampião

Excelente pistoleiro,                                                                  E mais algum cangaceiro,

Miguel Félix e Mourão                                                              Ele achava,  decerto

Com muita repercussão                                                             Que tudo aquilo era certo

No posto de cangaceiro.                                                             E lhes foi hospitaleiro.

 

 

 

            XXV                                                                                               XXVI

O mesmo Padre Romão                                                             Ao troar nossos fuzis,

Até milagres fazia                                                                      Ouviu-se o som do trovão

Protegendo Lampião                                                                  E os gritos de não fugís,

Nas suas malfeitorias                                                                 Que não lutarás em vão,

Não o condeno, no entanto,                                                        Cuidados com os cangaceiros,

Oh! Senhor Padre de encanto                                                     Pois eles são traiçoeiros

Só não sei o que queria.                                                             E devem vir pelo chão.

 

 

             XXVII                                                                                         XXVIII

O sino já repicava                                                             Vivemos sobre eminência

Lá na torre da matriz,                                                        Do bando de Lampião,

A polícia explicava:                                                           Pedimos independência

Defendamos com os civis,                                                 Pra todo nosso sertão,

Pois não podemos perder,                                                 Não somos subordinados

Nós temos é que vencer                                                     E nossos homens armados

Pra salvar nosso nariz.                                                       Lutaram com distinção.

 

 

 

            XXIX                                                                                        XXX

O  bando sendo vencido                                                    De cima daquele templo

Na igreja São Vicente,                                                       E também lá da barragem

Lampião fugiu correndo                                                     Lutamos com Lampião,

Doido, com medo da gente,                                               Que veio aqui de passagem,

O São Vicente lutou,                                                          Pois, fomos nós que vencemos,

Santa Luzia ajudou                                                             Com isso um exemplo demos

A vencer o delinqüente.                                                      De nossa grande coragem.

 

 

 

             XXXI                                                                                         XXXII

No dia 13 de junho                                                                 Naquele 13 de junho

Do ano de vinte e sete                                                             Mossoró foi sacudida

Mossoró de arma em punho                                                    Vencendo o tal Lampião,

Enfrentou aquela peste,                                                           Mossoró foi aplaudida

Lampião foi derrotado,                                                            Graças aos combatentes

Está tudo tranquilizado                                                            Heroícos, machos valentes,

Na Capital do Oeste.                                                                Mossoró  não foi vencida.

 

 

 

              XXXIII                                                                                          XXXIV

Ele foi  assassinado                                                                     A volante João Bezerra

No ano de trinta e oito                                                                 Deixou Lampião cercado,

E hoje, ainda lembramos,                                                             Lá na fazenda Angicos

No ano, setenta e oito,                                                                  Ele foi assassinado

Na hora foi degolado                                                                    No ano de trinta e oito

Pra deixar de ser malvado                                                             Na luta não foi afoito

E tambem de ser afoito.                                                                 E lá foi esquartejado.

 

 

 

               XXXV                                                                                           XXXVI

No museu Nina Rodrigues                                                            Aqui termina a história

Na cidade de Salvador,                                                                  Do Lampião cangaceiro,

Durante uns trinta anos                                                                 Que veio buscar vitória,

Sua  cabeça ficou                                                                           Porém voltou do terreiro

Para quem quizesse olhar                                                               Saindo daqui correndo

E nunca mais duvidar                                                                     Com isso saiu perdendo

Do que Lampião restou.                                                                 A fama de traiçoeiro.

 

 

 

           XXXVII                                                               XXXVIII

V ejam só, caros amigos,                                   J amais sonhei que um dia

I sso foi o que se deu                                         A ntes de me confessar

C om a querida Mossoró                                   C com tanto amor e  alegria

E como se defendeu,                                          I sso não fosse lembrar

N ão temos maldade, pois,                                N a  história que narramos

T emos certeza que dois                                    T odos ficam só pensando

E m nossa terra morreu.                                    O nde Lampião, está.

 

 

 

 

Nossos agradecimentos:

 

Garcia Jóias  -   Sra. Norma Garcia               -    Armazens Santo Antonio – Sr. Antonio Mulico

A Majestosa -  Sr.                                          -    Casas Morais -  Sr. José Morais de Lima

Armazem Vale – Sr. Amadeu Vale               -    Armazem Dutra – Sr. Tarcilio Viana Dutra

Direção da  Casa do Cantador                -    Diretório Acadêmico da  ESAM

Ao poeta Francisco Firmino                          -    CRISPINIANO NETTO,  Poeta, Repentista, Professor, Violeio, e meu grande amigo, que incentivou no lançamento deste nosso primeiro cordel.  – Jacinto  e Vicente.

 

 

 

 

...............................................................................................................................................

 

 

 

                                                                  Mossoró X Lampião

                                                                   Un  cont  by  Jacinto Moreno

                                                                                                          Jack  Monero

                                                                                                           Vicente  Netto.

 

 

 

Pesquiza\Proza – 1927-1982 – 55 anos

Da entrada de Lampião em Mossoró.

 

 

 

01 – O alerta geral:

         Assim que surgiu as primeiras horas do Domingo, 12 de junho de 1927, ocorreu a célere e alarmante notícia, por toda cidade, que o grupo famanáz desses hunos da nova espécie, tentara atacar e saquiar a visinha cidade do Apodí-Rn, tendo os mesmos sidos obrigados a se recuarem em vista da resistência heroica encontrada por parte dos habitantes desta cidade, e que estando eles, os cangaceiros, desisperados, pelo fato de terem fracassados, rumaram para a visinha cidade de são sebastião, atualmente conhecida como DIX-SEPT ROSADO, neste municipio, e por isso, de lá viriam a mossoró, no intúito de locupletar as algibeira do sinistro Lampiào.

Incendiaram a cidade de São Sebastião e vitoriosos, o bando de lampião, prosseguiu sua trajetória infame e o seu traçado equiondo de toda sorte de crime.

Ruamaram  a Mossoró.

A cidade o esperava.

 

02 -  Sessão da Intendência:

        E assim foi.

        Pelas –12- doze horas do dia –12- doze de junho de 1927, o Cel  Rodolfo Fernandes, digno e operoso prefeito, na época, fêz uma reunião no passo municipal – Cadeia Municipal – atualmente, Centro Cultural Manoeel Hemetérito, à qual estiveram presente várias pessoas, entre eles, comerciantes, autoridades, pessoas gradas e representantes da imprensa local, numa só finalidade: Desincubir-se da comissão anteriormente organizada para arrecadação do dinheiro no comércio local, afim de fazerem aquisições e armazenamento de armas e muniçoes para defeza eventual da cidade de mossoró contra os cangaceiros.

Depois,  fizeram esplanação de noticias chegadas de vários pontos extratégicos do sertão, passa a palavra a Jayme Guedes, atual gerente da sucursal do Banco do Brasil, nesta cidade, lendo os nomes dos contribuintes para compras de armamentos e munições, cuja   soma, amontoou em vinte e dois contos de réis.

 

03 – As Providências:

        Há mais de mês que a população da cidade de Mossoró não tinha tranquilidade, pois, viviam sobre eminência de vários perigos, sobre as ameaças do famigerado bandido Lampião.

Lampião, Sabino e Massilon, foram os cangaceiros que atacaram cidades, matando, roubando e incendiando, pois, os homens de mossoró sabiam que lampião encontrava-se com o intuito de fazer sua própria independência com fruto  das atividades e dos trabalhos dos mossoroense por mais fidégicas que fosse as informações que  recebiam e que não poderiam deixar de acreditar em tamanha audàcia. Este era o plano e era verdadeiro, de modo, que ficaram atentos.

Muito ocorreu pra isso.

Preconcedido do Cel Rodolpho Fernandes,  na época, Prefeito da cidade de Mossoro, cuja preocupação neste sentido visivelmente absorvente.

Todas as medidas de segurança foram tomadas, sugerida e discutida pelos presentes, os excelentíssimos senhores doutores, José Augusto e Benicio Filho, dignos presidentes do Estaddo e chefe de policia local, nos quais empre encontraram a melhor boa vontade e o mais decedido apoio,  acudindo as solicitações e apelos.

Reconheceram os sacrificios que fizeram e as circunstâncias que imPuzeram ao Estado, ao qual, ficarmam sabendo corresponder com amor  e dignidade. Por outro lado, tiveram influência nisso tudo, prestando serviços nas emergências que vinham passando.

 

 

04 – Intinerário do Bando

        Em todos os momentos graves da vida social, deram exemplo de solidariedade, da mesma maneira que nada o separou nas condições precisas, formaram com muita coragem um só bloco e um só corpo, com o impulso do povo de mossoró e da consciência cívica e do coração aberto às grandes causas.

Não quizeram entrar em detalhes que poderiam  resultar em esquecimentos não propositais, para verem o comjunto nas suas linhas armoniosas.

Houve defeito em todas as partes, e , em toda organização foi possivel prever ou remediar co recursos pacos. Cada um dos habitantes, naturais ou não, não era possivel exigir do que tinha feito a mais. Continuaram a fazer com mais dobrada  abnegação para honra e orgulho dos  mesmos. Foi assim as medidas oficiais do poder público, que foi responsável pela manutenção da ordem e pela segurança de vidas e propriedades.

Essas medidas foram oportunas  dentro das possibilidades do estado, devendo dispor sempre das tomadas de acordo, com elementos dirigentes, com os quais sempre estiveram em contacto e principalmente o esforço inegável do Tenente Lauretino de Moraes, delegado de policia, e seus dignos companheiros, tenente Àbdon Nunes de Carvalho e João Antunes.

Todas as outras atividades foram bem dispostas.

O famigerado bando não encontrou o povo de Mossoró desprevenido, vivendo pacato e ordeiramente ao labor do cotidiano às estranhas cenas do cangaceirismo.

A população não se  tomou de pânico.

Não se rendeu desorganizados.

Muitas familias procuraram abrigo nos municipios, com calma e resignação.  Internado em Aurora, estado do Ceará, segundo noticias oficiais, sendo seguido, o bando atravessa o estado da Paraiba e penetra no território do Rio Grande do Norte, onde ataca fazendas, evitando a visinhança da nossa cidade, onde seria combatido.

Lampião faz prisioneiros, por cuja liberdade, exige uma quantia de 500 contos de réis, depois, abatendo para 400 contos de réis. Rouba, saqueia, faz miséria e terror.

Aproximaram de Apodí.

Destacaram um grupo que o ataca, afim de ludibriar o povo de mossoró, ruma para a mesma, com seu s;équito criminoso, cortando as comunicações telegráficas com a visinha cidade de Caraubas, avançam sobre São Sebastião e chegam entre 23 às 24 horas, e aí, saqueiam, rouba, depedram, incendeiam, matam, violentam, praticam defloramen   to  e saciaram seus instintos selvagens.

Sabendo dos atos pacíficos  dos Mossoroenses, desceram vagarosamente, ao meio dia, do dia – 12 – doze de junho e de lá, começaram a ser avistados à léguas de distâncias.

Lampião mandou uma intimativa para o Prefeito atual, o Cel. Rodolpho Fernandes, pra que enviasse uma quantia de 400 contos de réis, sob a pena de invadir a cidade e que foi respondido negativamente.

Seguiram outros e mais outros e nada.

O bando entra em contacto diretamente com a  cidade   de mossoró.

E se dá muito mal.

 

05 – O Ataque:

         Por volta das 16 horas, já divididos, os  bandidos apreceram em diversos pontos da cidade. O sina da matriz repicava alertando os pontos que estavam preparados.  Na torre, estava pra iniciar a luta a qualquer momento. Ao troar os fuzís, casa-se ao som do ribombo do trovão, e, antes do inicio da travada luta, começara a chover. { Se o Céu nos mandava lágrimas, também nos saudava. }, pois, ouvia-se em meio a luta, ao som abafado dos disparos, era comovente o espetáculo, pois, estava difícil cessar fogo.

Os bandidos investaram nas primeiras trincheiras, cortando caminho, ladieam e seguem ao lado da estação ferroviária, e conseguiram entrar no prédia da antiga união de artista, intrincheirando-se.

Chegam a margem direita do rio, defendida pela  trincheira da barragem. O telegráfo  nacional  foi outro  local, que fora defendido, e, onde chegavam, estava o Fogo.

Os Tenentes Laurentino, Àbdon e Antunes, percorreram trincheiras e policiaram lugares mais desertos. Desenvolveram atos de verdadeira temeridade. As torres da  capela da matriz, das trincheiras de São Vicente e as trincheiras atacadas diretamente com as retaguardas, tem se nutrido no mais absoluto tiroteio.

Recuaram.

Voltaram a carga e repelidos, voltam ao acampamento. O bandido  [Calchete], fica morto e mais alguns feridos. Os defensores nada tiveram. Nenhum ferimento leve. Toda a noite da Segunda feira, foi um sobressalto, que vez por outra, havia tiroteio.

Estavam atentos.

O tempo passa e pela manhã da Terça feira, o grupo ruma com destino a Jaguaribe, no ceará, em demanda a limoeiro.

Os mossoroenses  nada sabiam da posição exata de lampião, que era, por completo, traiçoeiro, incidioso, talvêz, de refazendo, porque chegou com 53 cabras e levou 48, ficando inerte, os restantes, assim, tendo motivo para um novo ataque.

A cidade se mantina a postos.

Os elementos de defeza, criado pela remessa, e, ofertado pelo chefe de policia, soma em mais de trinta fuzis e munição.

Segundo informações prestadas, por volta das duas horas e trinta minutos, na tarde, do dia –13-treze, lampiào reuniu seu grupo a toque de corneta, chamou  Sabino e queria que o bando fizesse novo ataque.

Escondido atràz do cemitério, seguiram a estrada de ferro, atacam a trincheira de Sào Vicente, foram repelidos, recuam.

Vencidos, chegam ao chefe.

LAMPIÃO, toca pra frente.

E se foram.

 

Segundo depoimento de Jararaca, o bando era composto pelos facínoras:

 

06 – Os Cangaceiros:

 

01 –  LAMPIÃO – Virgulino Ferreira da Silva \  02 – SABINO – Sabino Leite  \ 03 – BENEVIDES – Massilon Leite, pois seus pais moravam na cidade de Luiz Gomes-Rn \ 04 – JARARACA – José Leite de Santana – Preso e morto na cidade de Mossoró-Rn, era natural de Buique, no Estado de Pernambuco \ 05 – EZEQUIEL – Ezequiel Sabino Leite – irmão  de Sanino Leite \ 06 – VIRGINIO – cunhado de Sanbino Leite \ 07 – LUIZ PEDRO – Natural de Retiro \ 08 – CHUMBINHO \ 09 – ZÉ DELFINO – conhecido popularmente como Mormaço \  10 – MANOEL ANTONIO - Natural de Bom Nome \ 11 – QUINDÚ – Natural de Bom Nome \ 12 ÁZ DE OURO – Natural de São Francisco  \ 13 – CANDIEIRO – Natural de Serra do Monte \ 14 – BARRA NOVA – Natural de Serra do Monte \ 15 – VAREDA – Irmão de Candieiro \ 16 – SERRA DO MAR \ 17 – RIO PRETO –  Vicente Feliciano - * Seu corpo não entrava bala*- Natural da Paraiba  \18 – LUIZ SABINO – Moço Audacioso \  19 – FORTALEZA \ 20 – MORENO – Muito Malvado  \ 21 – EUCLIDES  \ 22 – BEIJA FLOR – Natural do Piauí  \  23 – CHÁ PRETO  \  24 – TENENTE -  José de Souza – Natural de Riacho dos Navios \ 25 – TROVÃO – Natural de Serra do Mato  \  26 – CAMILO – Natural de Serra do Mato  \ 27- ANTONIO SANTOS- Natural do Ceará  \  28 – MARRECA – Natural do Pajeú=Quelé =  \ 29 – BEM-TE-VÍ – Natural do Carirí  \ 30 – SABIÁ – Cangaceiro Velho – Natural do Carirí  \ 31 – PINGA FOGO – Natural do Ceará  \  32  -    RELÂMPAGO – Natural do Carirí  \ 33 – VINTE E DOIS- Natural do Carirí  \  34 – LUA BRANCA – Irmão de Vinte e Dois- Natural do Carirí  \  35 – COLCHEADO – Natural de Pernambuco  \  36 – PAI  VELHO – Natural de Carvalho de Piranhas  \ 37 – ZÉ PRETINHO -  38 – LUIZ PEDRO – há cinco anos com Lampião  \  39 – MERGULHÃO – Natural do Pajeú=Quelé=  \ 40 – COQUEIRO – Natural do Ceará – Atirou no carro do Cel. Antonio Gurgel, no brejo  \ 41 – OLIVEIRA – Famoso Menino de Ouro  \ 42 – QUIXADÁ  \  43 – COLCHETE – Era pequeno e atrevido e repugnante – Morreu na casa do Prefeito de Mossoró – cel. Rodolpho Fernades, na época.  \  44 – ZÉ COCO  \  45 – ZÉ  ROQUE...  \ 46...  \ 47...  \ 48...

E outros que Jararaca nõao se lembrava.

 

07 – O Bilhete:

         Cel. Rodolfo,

Estando eu até aqui, pretendo é dieiro.

Já foi um aviso ahí para o Sr.

Se por acauso resorverme a  mandarme a importância que nóis pede eu envito da entrada ahí, porem não vindo esta importancia eu entrarei até ahí. Penso que a deus querer eu entro a vai haver muito estrago por isso se vier o dieiro eu não entro ahí, mas mande reposta logo.

 

Capitão Lampião.

 

 

08    - A Carta:

           Virgulino, Lampião,

Recebí o seu bilhete e respondo-lhes que não tenho a importância que pede e nem o comércio. O banco está fechado e os funcionários  retirados daqui.

Estamos dispostos a a carretar com tudo o que o Sr. queira contra nós. A cidade acha-se firmimente inabalavel na sua defeza.

Confiando no mesmo.

Rodolpho fernandes.

Prefeito.

 

09    -  A  Biografia:

 

                               Virgulino Ferreira da Silva, o Capitão Lampião.

Nasceu em vila bela, Serra Talhada, no ano de 1.900. Tinha 12 anos e estava no terceiro ano primário, quando resolveu trocar os estudos pela vida de vaqueiro em que achou fama pelo o seu destemor. Aos 17 anos, tornou-se tropeiro, familiarizando com os caminhos e estradas da região.

Episódio sem  maior importância o levou a prisão, de onde foi libertado pelos irmãos, pela força das armas, assassinando o filho do delegado de policia que mandara prender Virgulino.

Começou a luta entre duas familias.

Ferreiras, de Virgulino.

Nogueiras, do Delegado.

Antes, as familias, eram amigas.

Refugiando-se em alagoas, os irmãos de Virgulino são  procurados por uma volante que era comandada pelo cabo Lucena. A casa de Lampião foi cercada e invadida na ausência dos irmãos, e foi assim que o pai foi assassinado, e, em consequência disso, a mãe morre de colapso cardíaco. Aí, por volta de 1917, começou a vida de cangaço de Virgulino, que conquistou o apelido de Lampião. Quando em um de seus encontros com a policia, se gabava, que no decorrer da luta, sua espingarda nào deixava de Ter clarão, tal com um Lampião. A luta das duas e, depois de outras, familias, propriciaram o baditismo, em que costeiro por hostilidades aos inimigos de Lampião, ou por temor de represálias que não tinha limites, cooperava para o insucesso da persiguição policial.

Vigorou a lei ou preocupação, vindo  do estrupo ao incêndio, do saque ao assassinato frio. Na fase da presença da colonia prestes, Lampião foi convidado a colaborar com o governo, por intermédio de Padre Cícero que lhe ofereceu a patente de capitão e por isso, aproveitou para armar melhor o seu bando. Fazia do sertão de Sergipe e Bahia, seu quartel general, onde radiava para outros estados do nordeste  [ Alagoas, Pernambuco, Paraiba, Rio Grande do Norte, Ceará ], pois, chegou a investir contra a cidade de mossoró, dominou  várias cidades, saqueiando e dominando fazendas. Em 1929, conheceu Maria bonita que abandonou o  marido. Não demorou e em 1938, na fazenda Angicos, foram surpreendidos pela volante de José Bezerra, de Alagoas. Morreu na luta com Maria Bonita e seus cangaceiros.

As cabeças de Lampião, Maria Bonita e alguns cangaceiros, ficaram exposta ao público, à quase trinta anos, Salvador, no museu Nina Rodrigues.

Suas façanhas geraram ciclo na literatura de cordel.

FIM.

Copyright by autor.

J.PESSOA\PARAIBA.

1982-2002.