Literatura de Cordel
Discurso de Posse


Autor: Valentim Martins Quaresma Neto
Umari - CE, 21/01/2005


Saúdo as autoridades
Nessa hora de alegria
Em que estamos colhendo
Frutos da democracia.
Era um sonho outrora,
É realidade agora
Coisa que a gente queria...

As conquistas aparecem
Quando o povo trabalha.
Recobremos nossas forças
Reconheçamos as falhas
E as nossas limitações,
Preparemos os corações
E vamos a outras batalhas.

Ensinar exige força,
Respeito e confiança.
É um ato de bravura,
De afeto e de esperança
Somente o educador
Que ensina com amor
É quem provoca mudanças.
1

Sejamos grandes pilares,
Barras de sustentação,
Alicerces de verdade,
Exemplos de união.
E assim combater o mal
Do déficit educacional
Que existe na nação.

Quem paga nosso salário
Para dizer a verdade
Não está tendo o retorno,
É uma calamidade
Na matrícula incluídos
Mas continuam excluídos
Por falta de qualidade.

E essa realidade
Deve ser logo mudada
É hora de construirmos,
Botando o pé na estrada
E abrindo novos caminhos
Sei que não estamos sozinhos
Há outros nessa jornada...
2

Coragem meus companheiros
O desafio é gigante...
Seremos semeadores
De maneira incessante.
E a força dessa semente
Fará com que nossa gente
Torne-se mais confiante.

A semente é o estudo,
Símbolo da libertação,
Que rompe as dificuldades
E faz a transformação
No campo e na cidade
Teremos mais qualidade
Na nossa educação.

Isso se faz com renúncia,
Coragem, dedicação,
Prática, força, ousadia,
Sonho, participação,
Respeito, obediência
Honestidade, decência
E principalmente ação.
3

Vejam os sonhos das crianças
Como algo que vai nascer,
Ensinemos em toda parte
A regra do bem viver,
Os pequenos um dia crescem
E as lições permanecem
Nisso deveremos crer.

Reconheçamos a força
Que a juventude tem,
Na construção da história
E no futuro que vem.
A educação se faz
Com a cultura da paz
E do trabalho também.

Não duvidemos da força
Que tem o trabalhador,
Ele alimenta, ele veste
Ele é o professor.
Dá e retira poderes
Constrói e destrói saberes,
Do mundo é o condutor
4

É preciso que saibamos
Respeitar o ancião
A experiência vivida
Não deixa contestação:
Nossos avós, nossos pais
São importantes demais
Para a nossa formação.

Em suma, caros amigos
Com versos simples eu resolvo,
É impossível negar
O valor que tem o povo
Essa força inesgotável
De importância incontestável
Para a construção do novo

Acreditem nos humildes,
Agindo com precisão
Dividindo, partilhando,
Buscando a solução
Com força e discernimento
Que aquele do firmamento
Vai nos dar a proteção...
5

As palavras são palavras,
É muito fácil dizer
Eu quero ver quem sustenta
No momento de fazer
Somos os mestres da obra
A sociedade cobra,
Votou, pagou para ver.

Nosso discurso não pode
Ser diferente da prática,
Formamos opiniões,
Essa é a nossa temática.
Pode ser em Português
Geografia, Inglês,
História ou Matemática.

Sociedade alienada
Não podemos proibir,
Mas não vamos aceitar
A missão é instruir,
Alertar que é perigoso
E que é um mal silencioso
Que vive a nos atingir.
6

Contra a qualquer injustiça
Perturbação ou conflito,
Que esteja afligindo o povo
Devemos dar nosso grito.
Trabalhar com alegria
Também é sabedoria,
Tanto é bom como é bonito.

Antes de me despedir
Ouçam essa orientação:
É uma medida simples
Pra quem faz educação
Aceitem, não percam a vez
Se eu não falar pra vocês
Não fiz minha obrigação.

Não tema, implante o novo,
Procure ser diferente
Não culpe, busque saída,
Não pare, siga em frente,
Vale arriscar a vida
Para ganhar a corrida
E libertar nossa gente.
7

Agradeço ao pai celeste
Arquiteto do universo
Por ter escrito essas linhas
E rabiscado esses versos,
A vocês, muito obrigado,
Estou emocionado
De coração eu confesso...
FIM
-8-

Valentim Martins Quaresma Neto
Umari - CE, 21/01/2005
.................................................................................
Site na internet: www.projetocordel.com.br
E-mail: literaturadecordel@bol.com.br
   Oi - 83 8862-8587   /   Tim - 83 9927-1412